quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Calo-me

"Aqui jaz um grande poeta. Nada deixou escrito. Este silêncio, acredito, são suas obras completas."
(Paulo Leminski)



Calo-me não por arrogância,
mas pela sutileza de saber que não há mais o que falar.
Não sei mais o que trazer a essas linhas tristes,
brancas e livres dos poemas que construo.

Calo-me temporariamente do lirismo tardio,
da revolução interrompida por falta de companheiros,
da morena que não apareceu, do inconsciente que adormeceu
e do infundado senso crítico.

Calo-me para o mudo, para o surdo,
para o mundo e para mim.
Calo-me, mas não paro de deixar mensagens.
O silêncio é uma greve.

Não é preciso escrever o poema para que ele exista.
O poema é magia, é sentimento.
E palavras são palavras.
Palavras são formalidades.


Thiago Assis F. Santiago
www.twitter.com/euthiagoassis

16 comentários:

  1. às vezes é importante calar e ouvir a voz do silêncio.

    ResponderExcluir
  2. Na boa, pra mim é questão de interpretação: Quando alguém fala besteira e merece uma boa resposta, o silencio dói mas do que um sermão. No entanto quando alguém merece um grande presente o silêncio pode valer muito também..
    Abç.

    ResponderExcluir
  3. "Calo-me não por arrogância,
    mas pela sutileza de saber que não há mais o que falar."

    Me calei por um tempo,acho que foi preciso,o silencio faz bem!


    =*

    ResponderExcluir
  4. Lembrei de uma canção:

    PIERROT
    (Marina Lima)
    Sim, eu resolvi me ausentar
    Para ocultar a minha dor
    Fugi, menti
    Talvez por pudor
    Desde então tanta coisa aconteceu
    Que eu parei prá melhor pensar:
    Voltei prá te dizer o quanto eu senti
    Não te beijar
    E a vida segue, sempre nesse vai e vem
    Que não passa das ondas do amor
    Gira, roda
    Como um pierrot
    Eis que um dia aquela bela casa cai
    E não há mais como negar:
    Voltei prá te dizer que aqui no meu Brasil
    Outra flor não há
    Aqui: cada cidade é uma ilha, sem laços, traços, sem trilha
    E o medo a nos rodear
    Então: bem vindos à minha terra feita de homens em guerra
    E outros loucos pra amar
    E tem sido assim, desde que o mundo é mundo
    Os homens temem a paixão
    Ela fere, ela mata
    Tal qual um dragão
    Enfrentar ainda causa tanto medo
    Mas fugir é bem pior:
    Voltei prá te dizer que nessa guerra
    Não há vencedor
    Aqui: cada cidade é um porto, disse o poeta prum broto
    Que não queria arriscar
    Vem, bem vindo a minha terra, feita de homens em guerra
    E um outro louco prá amar

    ResponderExcluir
  5. Silêncio também pode ser poesia. :D

    ResponderExcluir
  6. As palavras são detalhes...

    Teu silêncio é barulhento.

    ResponderExcluir
  7. Gosto muito de Paulo Leminski.
    Vou confessar o que o melhor escritor de poemas que mais leio é você. Sério, você é muito bom!

    ResponderExcluir
  8. Ha Thiago,estava com saudade dos seus poemas.

    ResponderExcluir
  9. Nem sempre são as palavras que dizem!
    Se faz necessário ouvir o silêncio.

    Beijão =*

    ResponderExcluir
  10. Oi Thi
    Como vc tá?
    Acabei voltando
    Enqto não acho algo legal pro meu canto fico por aqui..
    E vc..
    Como vão as coisas..
    Parabéns pela qualidade das suas palavras!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Olá Thiago,
    A muito tempo não venho aqui, e talvez você nem se lembre mais de mim, porem as suas poesias são inconfundiveis.
    Esta ultima, tem tom de morte, tom de adeus... Delicado e legal (y).

    Como vai a vida?
    PS: voltei a escrever... Sinta-se a vontade =]

    Até mais^^

    ResponderExcluir
  12. Nossa, adorei o seu poema! Perfeito! Além disso, me identifiquei com as palavras encontradas aqui.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Achei teu poema cético, mas bonito!

    ResponderExcluir

Por favor, se for para comentar apenas Bom texto, passa no meu blog nem se dê ao trabalho.

Conto com a compreensão de vocês quanto a isso, pois creio que não gostam quando isso acontece em seus blogs.

No mais, obrigado pelo comentário.