sexta-feira, 28 de maio de 2010

Encruzilhada


"Daí vai ficando por aí, eu vou ficando por aqui, evitando, desviando, sempre pensando, se por acaso, a gente se cruzasse..." (Alice Ruiz)


Parecemos improváveis
a morena e eu.
Vidas paralelas,
sem nenhum ponto de intersecção.

Ela gosta de filosofia
e eu da exatidão dos números.
Ela quer ser notável,
e eu quero apenas chamá-la a atenção.

Tenho medo, medo de arriscar.
Arriscar e estragar tudo.
Reduzir a pó as chances que já estão em raspas.
Passar de improvável para impossível.

Sigo, mas desvio. Olho, mas não vejo.
Quero falar-lhe, mas evito.
Pareço me afastar,
mas estou sempre por perto.

Então vou indo na direção dela.
Indo e desviando. E evitando.
Torcendo para tropeçar
e cair-lhe no caminho.


Thiago Assis F. Santiago
www.twitter.com/euthiagoassis

19 comentários:

  1. Ela nunca saberá que você gosta dela.
    Pareceu tão pré-adolescente, tão a minha cara!

    ResponderExcluir
  2. estava com saudade de ver esse fascínio pela a Morena, mas que bela encruzilhada essa hein ^^

    ResponderExcluir
  3. E olha a Morena ai!
    Adorei o poema, me lembrou bastante aqueles 'jogos' de troca de olhares, de intenções subentendidas, de não dizer, mas deixar nas entrelinhas.
    Me lembrou amores platônicos, que só tem graça porque são platônicos porque ficamos aimaginar oque pode acontecer e o que vai acontecer.
    O interessante é planejar o acaso, enquanto ele mal pensa em acontecer!

    Um beijo =*

    ResponderExcluir
  4. E olha eu aqui também!

    Você escreve lindamente e essa morena, hein?

    E quem disse que precisa ser famoso para aparecer lá no "Música e Paixão"? Qualquer dia desses a gente brinca lá.

    Beijos menino branco!

    ResponderExcluir
  5. Oi Thiago. Agradeço a visita ao blog meu caro. É um prazer tê-lo por lá, e não posso deixar de parabenizá-lo mais uma vez pelos seus escriros. embora nem sempre comente, sempre estou por aqui. Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. as vezes é bom deixar algo no plano irreal mas muitas vezes a vida é meter a cara no mundo e arriscar!

    ResponderExcluir
  7. Tente tropeçar 'casualmente' e cair no caminho dela. Às vezes a gente caminha sem reparar no que acontece ao nosso redor.

    Oi :) (2)

    ResponderExcluir
  8. Sempre havera uma interrogação nisso tudo nao é?

    abraçao

    ResponderExcluir
  9. Caia, mas caia nos braços dela. ;)

    ResponderExcluir
  10. aquele medo, aquela vontade, parece o primeiro amor, o primeiro desejo, o primeiro jogo de sedução...
    envolvente .

    adorei meeesmo.

    ps. eeeeeeee consegui comentar rs

    beijoosss

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Se houver uma pedra no caminho, trepasse-a, não tropece...

    Não tema a morena, não.

    ResponderExcluir
  13. Ah, obrigado pelo elogio.
    As músicas simplesmente vêm, trazidas pela correnteza de todas as outras ideias, enquanto escrevo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Já tropecei algumas vezes.

    Bom mesmo é quando a morena sorri quando caímos.

    Bom mesmo...

    ResponderExcluir
  15. Voltei pro blog!poema lindo! aguardo tua visita!

    ResponderExcluir
  16. acelera o passo e fecha os olhos. haha
    vez em quando funciona.
    Voce descreveu com exatidão as incertezas do começo, e é tudo tão bonito, mesmo quando não dá certo...

    ResponderExcluir
  17. Não tenha medo Thiago..se joga!

    ResponderExcluir
  18. O medo de errar e de apostar pode nos fazer perder talvez as melhores experiências das nossas vidas. E se desse certo, heim?

    Amei o poema.

    :]

    ResponderExcluir
  19. Enquanto eu li o seu poema fui imaginando que se fosse musicado daria uma boa música.

    ResponderExcluir

Por favor, se for para comentar apenas Bom texto, passa no meu blog nem se dê ao trabalho.

Conto com a compreensão de vocês quanto a isso, pois creio que não gostam quando isso acontece em seus blogs.

No mais, obrigado pelo comentário.