quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Estilo

A poesia deve unir,
e não selecionar.
Todos merecem entendê-la
e, com ela, cantar.

Não há mais espaço
para uma linguagem arcaica
e para construções complexas.
Minha poesia é simples.

O mundo quer correr.
O mundo quer vibrar.
O povo precisa ler.
O povo precisa raciocinar.

Não me venha com barroquismos.
Não complique a minha vida.
Quero ser rápido.
O mundo pede velocidade.

Poesia para o povo.
Arte para a massa.
A elite que se adapte:
O que é bom, não passa.



Thiago Assis F. Santiago
www.twitter.com/euthiagoassis

23 comentários:

  1. Parabéns,poeta!
    comprtilho de sua opinião e a coloco em prática também!
    Que ideia mais ridicula está d sempre por a poesia como algo que deve ser decifrada como uma equação!
    Todos tem direito a sentir o bem que faz uma boa poesia ! escrita de forma limpa e simples!

    E por falar nisso,poesta,sua poesia é linda!

    estarei sempre aqui com muito prazer!

    abraços!

    ResponderExcluir
  2. Liiiiiiiiinda poesia!
    Simples assim (oi? hahaha).

    Sério, concordo contigo.
    Eu, um dia, deixo dessa mania de criar códigos pra minhas coisas que escrevo.
    Talvez maquio as coisas por medo de exibi-las cruamente. Sabe?
    Enfim, mas há coisas que devem ser claras, para que todos contemplem, entendam e sintam a poesia no arrepiar da pele e no contentar do coração.

    Me permite postar essa poesia no Pensamentos Devaneantes (um blog que tenho com uma amiga)? Colocarei os devidos créditos e linkarei seu blog lá, para, que quem ler, possa conferir no seu blog.
    O link do Pensamentos Devaneantes é esse: http://pensamentosdevaneantes.blogspot.com/

    Bem, espero sua resposta, meu poeta!

    Um beijo da tua fã.

    P.s: E a pessoa que me fazia penar de saudade, lembra? Ela me visitou, deu o ar da graça. Fiquei tão feliz! :D

    ResponderExcluir
  3. O povo precisa raciocinar mesmo..

    ResponderExcluir
  4. A-DO-REI, de verdade..

    Eee realmente, todos tem o direito de conheçer e entender uma poesia..


    ;*

    ResponderExcluir
  5. Você realmente descreveu poesia com poesia!!
    Adoro suas poesias!!!

    ResponderExcluir
  6. Show de bola!
    Deu seu recado e assino embaixo!

    ResponderExcluir
  7. Gostei de sua poesia. E a lendo eu não poderia deixar de lembrar de todas as propostas da Primeira Fase do Modernismo e tb daquela poesia do Manuel Bandeira "estou farto do lirismo funcionário público...".

    ResponderExcluir
  8. #euli

    Thi, meu Mário Quintana, tu arrasa =)

    Boa Sorte na UFPB ^^

    Amo-te

    ResponderExcluir
  9. Muito bom.
    Concordo plenamente.
    Para se ter uma boa poesia não é mais preciso que se tenha uma metrificação perfeita de 12 sílabas poeticas, não é preciso rimas.
    Uma boa poesia precisa ter palavras que nos façam pensar, sentir...
    Subjetividade? Sim, essa pode estar presente. Pois deixar algo subentendido é fazer com que os leitores pensem.
    Mas subjetividade em demasia prejudica muito a poesia e a leitura.

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  10. Concordo com você, Thiago!
    Eu tenho pressa...
    eu preciso voar!

    ^^
    Parabéns!
    Beijos, colega!

    ResponderExcluir
  11. adoro metalinguagem, e esse poema está sensacionaal! Mais direto impossível! cada um tem seu modo de escrever, e isso q torna essa arte das letras tão interessante.
    Adoreeeeeei seu comentário. Muitíssimo obrigada, fiquei até metida depois dessa hausaushaus
    e se quer saber... eu me descontrolo mesmo, confesso! Onde já se viu um blog de familia com um monte de palavrões? Mas não se assuste amigo... isso é só tipo, tenho um bom coração! rss
    O beijo do vampiro não foi uma novela tãao irritante quanto as outras... eu gostei! Posso citar algumas outras, mas deixe como está!
    Bom, muitíssimo obrigada pela visita! Boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Te apoio, Thiago.
    As linguagens antigas, a métrica, e todos aqueles blablabla's, só complicam a minha vida.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Não sei por que a sua poesia minha lembrou Ode ao burguês (não lembro se é este o nome do poema) do Grandioso Manuei Bandeira. Deve ser por causa da ânsia de tornar a língua mais dinâmica, para que esta não se perca nos labirintos da verborragia. Viva a simplicidade! Mais uma vez você mostra que manda bem - o que me espanta, dada a sua pouca idade.
    P.S - Obrigado por seu comentário em meu blog, fiquei extremamente lisonjeado.

    ResponderExcluir
  14. concordo plenamente!
    a poesia é de todos, e todos deveriam ter a oportunidade de senti-la mais vezes.

    muito bom!

    =*

    ResponderExcluir
  15. Uau, concordo plenamente. É bom entender o que lemos vez em quando. A propósito, obrigada pelo seu último comentário, me foi bem útil. Até logo.

    ResponderExcluir
  16. adoroo o que tu escreve
    já tentei fazer poesia,mas foi um ato sem sucesso
    bjOo!'

    ResponderExcluir
  17. QUE LINDOOO!
    Poesias simples, versos simples...
    E a forma poética como forma de expressão!
    Perfeito garoto!
    A linguagem é a nossa norma, nossa organização.. E devemops fazer exatamente como vc fez... Usá-la a nosso favor!

    Amei!

    Um beijo meu e ótima semana!

    ResponderExcluir
  18. "A elite que se adapte"

    Gostei desse. Se as poesias fossem mais acessíveis, se tornariam uma chance de instruir melhor as pessoas em geral. Ah, se os que possuem tendência para a arte, fossem mais empenhados nisso, a própria História e Lieratura teriam muitas outraz versões (talvez).

    ResponderExcluir
  19. Minha poesia é simples também, trata-se de uma sintese de um sorriso, um pôr-do-sol, um amor ou um violão.. Ou tudo isso junto!

    ResponderExcluir
  20. Ficou otimo... =o
    E tem uma musicalidade legal também!

    ResponderExcluir

Por favor, se for para comentar apenas Bom texto, passa no meu blog nem se dê ao trabalho.

Conto com a compreensão de vocês quanto a isso, pois creio que não gostam quando isso acontece em seus blogs.

No mais, obrigado pelo comentário.